Basílica

Santuário
Histórico da Construção da Igreja Matriz de São Miguel Arcanjo

Nos idos de 1880, os moradores da antiga Freguesia da Fazenda Velha, precisavam ir a Itapetininga para suas rezar e participar das Santas Missas dominicais. Era urgente que no vilarejo fosse construída uma capela para o rito das celebrações religiosas.

Uma das filhas do Tenente Urias Emídio Nogueira de Barros, Tereza Augusta Nogueira, com o desejo de ver provida canonicamente a Capela de São Miguel Arcanjo, doou uma parte de terra de 750 braços de alto com 450 de fundo, herdada de seu pai. Nessas terras, construiu-se a primeira capelinha segundo a tradição oral, erguida pela sua irmã Maximina Ubaldina Nogueira Terra, devota de São Miguel Arcanjo.

Com o passar dos anos e o aumento do povoado, a Fazenda Velha tornou-se município São Miguel Arcanjo. Era preciso que se erguesse uma igreja para que o devoto de São Miguel Arcanjo pudesse nela congregar.

Assim, a partir de 2 de janeiro de 1945 iniciaram-se as obras de construção da nova igreja: a Igreja Matriz de São Miguel Arcanjo, com a planta devidamente aprovada por Sua Excelência Reverendíssima Dom José Carlos de Aguirre, Bispo Diocesano de Sorocaba, provisionando o Reverendíssimo Padre Humberto Ghizzi para orientar o povo de Deus.


No dia 20 de janeiro de 1946, inaugurou-se solenemente a Capela-Mor da Matriz. As obras de construção seguiam em ritmo acelerado pela generosidade do povo, que não media esforços para presentear o município com um templo digno, à altura de um padroeiro com a força de São Miguel Arcanjo.


Aos 12 de fevereiro de 1947, o Padre Francisco Ribeiro passou a exercer as funções de Pároco da Igreja Matriz. Campanhas, quermesses, doações, serviços voluntários e mutirões foram realizados para a cobertura da Igreja Matriz. Em 1953, houve a remodelação da Capela-Mor com a colaboração de janelas, coxílios, vitrais, refletores, mesas e degraus de mármore nacional, colunas com base e capitéis em bronze, o corpo do altar em mármore estrangeiro.


Ultimou-se, em agosto de 1954, a Sacristia. Em setembro de 1955, iniciou-se a construção da “nave ao lado do Evangelho”. Em janeiro de 1958, ergueram-se os andaimes para acabamento da parte externa da frente de nossa Igreja Matriz. Em dezembro do mesmo ano, a Marmoraria Pasini encarregou-se de completar as escadarias e a mesa da comunhão. Ladrilhos em quatro cores foram colocados no piso da Igreja, construindo em curto tempo, uma bela Matriz, o templo que nos acolhe hoje.


Na Festa de Cristo Rei, 30 de outubro de 1960, a nova Matriz de São Miguel Arcanjo recebe a bênção Solene, com a celebração da Santa Missa presidida pelo, então, Cônego Francisco Ribeiro. Segundo Dom José Carlos de Aguirre, Bispo Diocesano, “um dos mais suntuosos templos de nossa Diocese”.


Em fevereiro de 1962, foram entregues as colunas, capitéis e lambris por doações de famílias generosas. No dia 3 de março de 1982, o Cônego Francisco Ribeiro, responsável pela construção da Igreja Matriz, foi chamado à eternidade. A ele, o reconhecimento de um povo que o fez “filho da terra”!


Tantos outros párocos vieram, deixaram entre nós suas marcas, histórias, ensinamentos, a Evangelização. Mais recentemente: Diáconos: Francisco Queiros e José Antônio de Góes, Padres: Pe. Paulo César, Pe. Ernani, Padre Paulinho, Padre Renato, Padre Roberto Moreira, Padre Edson, Padre Roberto Januário, Padre Reinaldo, Padre Francisco e Padre Márcio Almeida.


Tantos partilharam com o povo o nosso sonho da Igreja Matriz tornar-se Santuário! Coube ao nosso atual pároco, Padre Márcio Almeida, a autorização de Dom Gorgônio, Bispo da Diocese de Itapetininga, nossa Igreja Matriz tornar-se Santuário. Hoje, aguardamos ansiosamente a elevação para Basílica Menor.

Informativos